Header Ads

[Resenha do Filme] Bright - Original da Netflix



Bright || Direção: David Ayer || Roteiro: Max Landis || Produtoras: Netflix, Overbrook || Nota: 4,5 


Acho que posso fechar o ano com essa crítica né. Então vamos lá. 

Bright é um filme original da Netflix. 

É um filme contemporâneo alternativo. Em uma Terra em que criaturas mágicas e humanos vivem como vizinhos. Orcs, Elfos, Fadas, Centauros, entre outros. 



O enredo insere um cenário de cidade grande, com vários tipos de conflitos, mas em foco no subúrbio, conflitos raciais e a extremidade da força policial na cidade de Los Angeles. Em destaque para como as criaturas mais oprimidas: Orcs. 

A obra começa com uma cena em que o policial Ward é baleado por um Orc. 



Deixando muito mais arisco com seu novo parceiro, que também é um Orc. 


Nick, é o primeiro Orc, a entrar na polícia. Uma coisa bem complicada para ele e pra seu parceiro. Já que sua espécie, é a vilã de todos. 

Em um chamado de uma ocorrência, eles encontram Bright e uma varinha mágica. E então, toda a porrada começa. 

Meu povo

QUANTO TIRO! O filme já começa com um tiro. O filme termina com uma explosão!!!! Efeitos fantásticos. 

Nick e Ward assumem a tarefa de proteger a varinha, e a Bright que a possui. Tikka é uma Elfa que tenta se libertar do seu clã, que, bem... Tem uma missão que se eu falar, vou acabar contando todo o filme. 


Mas quero dizer sobre uma coisa, que me tocou muito. 

A aceitação. Em um filme que coloca várias espécies em um planeta, para que se viva em harmonia, é uma mensagem bem impactante. E o mais maravilhoso nisso tudo, é sobre escolher um ator negro para o papel principal. 


Smith conseguiu dar o ar necessário para o personagem, que mesmo negro, não aceitou de primeira seu parceiro. Mas isso muda. Nick é um Orc que foi renegado por todos. Sangue sujo como seu clã o chama. Ele tenta achar um lugar no mundo, e ele não vai estragar isso. 

Ficou coisas abertas no filme. 



E não sei se a Netflix, vai me ajudar sobre isso em um futuro filme. Só me resta esperar. 

Então amore é isso. 
Desejo um ano de 2018 cheio de filmes e diversão. 

Beijos e até a próxima!
Tatiana Pinheiro

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.